quinta-feira, 30 de junho de 2011

Câmara aprova anistia criminal a bombeiros do Rio

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quinta-feira (30), um projeto de lei substitutivo que reunia o texto de três propostas que tratam da anistia aos cerca de 400 bombeiros e dois policiais militares do Rio de Janeiro. Os projetos foram aprovados em caráter conclusivo (sem necessidade de ir ao plenário) e agora seguem para o Senado.
O texto aprovado inclui os bombeiros do Rio na anistia concedida pela lei 12.191/2010, a policiais e bombeiros militares de oito estados (RN, BA, RR, TO, PE, MT, CE, SC) e Distrito Federal, punidos por participar de movimentos reivindicatórios por melhorias de salários entre 1997 e 2010.
Conforme a assessoria da presidência da Casa, a decisão de votar as matérias ainda nesta quinta foi tomada após acordo entre o presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), e o presidente da comissão, deputado João Paulo Cunha (PT-SP).
A assessoria de Marco Maia disse que a escolha de votar os textos criados na Câmara e de não esperar o que foi aprovado no Senado, de autoria do senador Lindberg Farias (PT-RJ), foi devido ao tempo. Segundo eles, o texto de Lindberg Farias não era consensual e teria que sofrer alterações, o que retardaria ainda mais o processo de anistia.
Um dos porta-vozes do grupo de militares que veio a Brasília para uma manifestação em frente ao Congresso nesta quarta-feira (29), cabo Balthar, informou que o grupo acompanhou a reunião da CCJ nesta quinta e que agora retornam diretamente para o Rio.

Fonte: G1.com

terça-feira, 28 de junho de 2011

Aprovada anistia administrativa a bombeiros do RJ

Na noite desta terça-feira (28), o projeto de lei 644/2011, foi aprovado pela Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, onde concede anistia administrativa aos mais de 400 bombeiros e a dois PMs presos após a invasão ao quartel central da Corpo de Bombeiros, no último dia 3. Isso significa que eles não poderão ser punidos pela corporação.
O projeto de lei foi aprovado por unanimidade pelos 60 deputados presentes e seguirá para sanção do governador Sérgio Cabral.
Também foi aprovado o projeto de lei que modifica a finalidade de uso do Fundo Especial do Corpo de Bombeiros (Funesbom) e um reajuste de 5,58% como antecipação de aumento, que só iria acontecer no final do ano. Com isso, parte do fundo pode ser usado para pagamento de gratificações aos bombeiros. Antes, o fundo era utilizado para a compra de equipamentos para a corporação. O projeto, que foi aprovado com o texto original, também seguirá para a sanção do governador.
No entanto, os bombeiros são contra as gratificações e querem o aumento do piso salarial de R$ 950 para R$ 2 mil líquido. E também reivindicam o vale-transporte.
Muitos bombeiros que compareceram ao plenário da Alerj para acompanhar as votações comemoraram a decisão, cantando o hino da corporação e gritos de guerra. Eles foram ao plenário com camisas vermelhas e cartazes pedindo a anistia criminal e administrativa aos mais de 400 colegas que foram presos.
Com informações do G1/RJ

Bandidos morrem em confronto com Polícia da PB


Quatro homens suspeitos de envolvimento na explosão de um caixa eletrônico em Boa Vista morreram depois de serem baleados durante confronto com as Polícias Civil e Militar na manhã desta terça-feira (28). A confirmação é da assessoria de imprensa do Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande, para onde os acusados foram levados feridos. Dois deles chegaram à unidade em viaturas da polícia.
O roubo ao posto avançado de atendimento do Bradesco na cidade do Cariri aconteceu de madrugada. Desde então, a Polícia Civil começou a fazer buscas em toda a região. Ainda não foram divulgados detalhes sobre o local e as condições em que o grupo foi encontrado.
Dois adultos foram presos e um menor de idade apreendido. Os três foram transferidos para a Central de Polícia de Campina Grande, onde vão prestar depoimento.
O delegado regional de Campina Grande, Wagner Dorta, declarou que a polícia estava no encalço da organização criminosa. A ação ocorrida nesta madrugada já era 'esperada'. Isto porque dois carros foram roubados no domingo à noite e na segunda-feira pela manhã em Campina Grande. As suspeitas eram de que os veículos seriam usados em investidas contra bancos.
Um deles, um Corolla tomado de uma aposentada, tem as mesmas descrições do carro usado nesta madrugada em Boa Vista.
A Polícia Civil programou uma entrevista coletiva para esta tarde em Campina Grande para divulgar todos os detalhes da operação.

Com informações do paraiba1.com.br

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Operação da PRF apreende 1,2 tonelada de maconha no RS

Uma operação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) com a Brigada Militar apreendeu cerca de 1,2 tonelada de maconha na Rodovia Tabaí-Canoas (BR-386), em Montenegro, no interior do Rio Grande do Sul.
A ação ocorreu por volta das 21h de domingo (26). A droga estava embalada e escondida em dois carros, que também foram apreendidos.
Segundo a PRF, a maconha era procedente do Paraguai e tinha como destino Canoas e outras cidades da região metropolitana do Estado. A entrega da droga vinha sendo monitorada pelos policiais há algumas semanas. Dois homens foram presos na operação. A Polícia Federal investiga quem eram os compradores da droga.


 Fonte: G1.com

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Presídio Federal recebe detentos da Paraíba

Oito detentos acusados de comandar organizações criminosas que atuam na Grande João Pessoa, de dentro dos presídios PB-1, Sílvio Porto e Geraldo Beltrão, já se encontram recolhidos na Penitenciária Federal de Porto Velho, no Estado de Rondônia. Paulo Henrique do Nascimento (Alexandre Neguinho), André Quirino da Silva (Fão), André da Silva Galdino (André Galdino), Márcio Maciel dos Santos (Maciel), Eristênio Gonzaga de Souza (Papel), Ricardo Cavalcanti Souto (Ricardo), José Roberto dos Santos Souza (Neguinho Mulungu) e Otacílio José da Silva Filho (Sérgio Neguinho) foram transferidos na manhã de terça-feira (21).
A transferência foi realizada através da “Operação Perseu” – ação policial integrada que envolveu a Secretaria de Administração Penitenciária, a Secretaria de Estado da Segurança e da Defesa Social, as Polícias Militar, Civil e Federal e o Departamento Penitenciário Nacional. Por se tratarem, os detentos, de elementos de alta periculosidade, a operação envolveu uma média de 120 profissionais.
Após o embarque, ocorrido pontualmente às 8 horas de terça-feira em um avião Embraer 190, de propriedade da Polícia Federal, 14 agentes penitenciários federais e nove policias federais ficaram encarregados de monitorar os apenados para evitar qualquer tipo de surpresa.
“A transferência desses detentos para um presídio federal de segurança máxima significa a tentativa de desarticular grupos criminosos e, assim, garantir a segurança da população”, enfatizou o secretário Harrison Targino, da Administração Penitenciária.
Sobre o motivo que levou o Governo da Paraíba a transferir os oito detentos para um presídio federal localizado na região Norte do País, o secretário lembrou que várias investigações foram realizadas dentro e fora dos presídios, incluindo audiências de depoimentos de familiares e da população em geral. “Isto nos levou à certeza de que esses detentos estavam praticando crimes, mesmo dentro dos presídios”, ressaltou, acrescentando que os detentos transferidos participavam de homicídios, roubos e eventos de tráfico de entorpecentes.
Na Penitenciária Federal de Porto Velho (unidade prisional com capacidade para 208 detentos que foi inaugurada em 2008) são recolhidos presidiários de alta periculosidade que possam tumultuar o ambiente dos presídios, ser vítimas de atentados e tentativas de resgate, ou que estejam em Regime Disciplinar Diferenciado.


Com informações do paraiba1.com.br

quarta-feira, 22 de junho de 2011

CCJ do Senado aprova anistia a bombeiros do Rio de Janeiro

Projeto que anistia bombeiros militares do Rio de Janeiro, punidos por participarem de movimento no dia 1º de junho, por melhoria salarial, foi aprovado nesta quarta-feira (22) pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), em decisão terminativa.
Conforme explica o autor da matéria, senador Lindbergh Farias (PT-RJ), a proposta visa dar base legal a entendimento no mesmo sentido, adotado pelo governo do estado.
Em seu voto favorável, o relator, senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), explica que a anistia prevista no PLS 325/2011 segue a Lei 12.191/2010, que também concedeu anistia a policiais e bombeiros militares do Rio Grande do Norte, Bahia, Roraima, Tocantins, Pernambuco, Mato Grosso, Ceará, Santa Catarina e Distrito Federal, igualmente punidos por participarem de movimentos reivindicatórios.
Para Crivella, o movimento do Rio de Janeiro, por envolver cerca de 1,3 mil bombeiros, faz com que esse seja um problema "no campo do interesse público". Para ele, a manifestação realizada no início do mês se justificou pelas dificuldades enfrentadas pelos militares.
- O segundo estado mais rico da federação pagava o mais baixo salário do país - afirmou Crivella.


Com informações da Agência Senado 

terça-feira, 21 de junho de 2011

Governo do RJ gasta R$ 60 mil por ano para cada policial de UPP


O secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, informou na tarde desta terça-feira (21) que para cada cem policiais utilizados nas unidades das UPPs (Unidade de Polícia Pacificadora) o custo anual aos cofres dos governos estadual e municipal gira em torno de R$ 6 milhões. Ou seja, cada agente custa R$ 60 mil por ano ou R$ 5.000 por mês.
Ao ser indagado sobre qual seria a solução para que os chefes do tráfico não mudem de favela após a ocupação da polícia, mas abandonem o tráfico de drogas, o secretário disse que, para um bandido deixar uma comunidade na qual é líder e continuar dominando em outra região, não é uma tarefa simples como se pensa.
- É verdade que algumas lideranças saem e conseguem abrigo, mas a maior parte volta para a sua comunidade e acaba sendo presa. Não temos a pretensão de transformar bandido em mocinho, nem as prisões fazem isso. Nossa política de segurança tem o foco na população.
Beltrame informou também que a decisão de divulgar com antecedência as datas que a polícia irá ocupar uma determinada comunidade não é uma questão de dar aos bandidos tempo para a fuga, mas sim preservar a vida dos moradores.
- Os bandidos, sem território de dominação, são fragilizados e não tardará para que sejam capturados. A participação da comunidade é essencial e por isso é preciso denunciar.

Com informações do R7.com

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Agente prisional é morto dentro de presídio em Cuiabá - MT


Um agente prisional foi morto a golpes de “chuchos” (arma artesanal comum entre presidiários) na Penitenciária Central do Estado, antigo Pascoal Ramos, na tarde desta segunda–feira (20) em Cuiabá - MT. A confunsão ocorreu no Raio 3, onde estourou uma rebelião, quando reeducandos saiam de seus Raios para uma conversa com defensores públicos. 
Informações preliminares do coronel Maurício Domingues, comandante do Batalhão responsável pela guarda dos presídios de Mato Grosso, é que o clima é de tensão dentro da penitenciária. A Polícia Militar baleou três detentos, numa nova tentativa de rebelião.  De acordo com a Sejudh, acredita-se que a morte tenha ocorrido depois que os agentes impediram uma tentativa de fuga no último domingo (19).
O nervosismo tomou conta novamente da Penitenciária Central do Estado, já que na noite do último sábado (18) uma tentativa de fuga causou um princípio de rebelião no Raio.  A Polícia Militar foi acionada para conter a ação. No raio onde aconteceu a tentativa de fuga estão 30 presos.


Com informações do 24horasnews.com.br

sexta-feira, 17 de junho de 2011

PRF encontra fuzil escondido em travesseiro no PR

Uma mulher de 19 anos foi presa com um fuzil calibre 556 escondido dentro de um travesseiro, na noite de quinta-feira (16) em Guaíra, na região Oeste do Paraná. De acordo com as informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), a jovem estava em um táxi paraguaio e foi abordada durante uma fiscalização de rotina.  A arma é de uso exclusivo das Forças Armadas.
Os policiais contaram que ela estava com o travesseiro no colo e que o fuzil estava desmontado. Ela disse que foi contratada para pegar a arma em Salto Del Guairá, no Paraguai, e levaria até Maringá, na região Norte. A jovem contou também aos policiais que mora no Rio de Janeiro com o namorado.
Ela foi encaminhada para a delegacia da Polícia Federal, em Guaíra.

Fonte: G1.com

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Governo Federal lança Plano Estratégico de Fronteiras

O Governo Federal lançou na semana passada um Plano Estratégico de Fronteiras para prevenir e reprimir ilícitos transnacionais. A iniciativa prevê uma série de operações integradas entre os órgãos de segurança pública federais e as Forças Armadas.
Pela primeira vez com coordenação conjunta, as Forças Armadas se integram às forças federais de segurança pública para atuar em operações nas áreas fronteiriças. Os objetivos centrais do plano são a redução dos índices de criminalidade e o enfrentamento ao crime organizado por meio da atuação integrada das instituições dos ministérios da Justiça e da Defesa, além da cooperação com os países que fazem fronteira com o Brasil. Entre os crimes fronteiriços mais comuns estão o tráfico de drogas, de armas e de pessoas, além dos ilícitos ambientais e fiscais, como o contrabando e o descaminho.  O plano de fronteiras conta com a ação integrada da Marinha, Exército, Aeronáutica, dos departamentos de Polícia Federal e de Polícia Rodoviária Federal, além da Secretaria Nacional de Segurança Pública e da Força Nacional de Segurança Pública. Numa segunda etapa, está prevista a participação de órgãos estaduais e municipais de segurança nas operações. 
O plano terá dois eixos principais. Um deles é a Operação Sentinela. Coordenada pelo Ministério da Justiça e em vigor desde 2010, a operação, que tem como foco ações de inteligência, será remodelada e ampliada. “Além de aumentarmos o contingente da PF, PRF e Força Nacional nas fronteiras, também teremos o apoio logístico das Forças Armadas”, explicou Cardozo.  O efetivo de policiais dedicados exclusivamente à operação será dobrado. O outro eixo é a Operação Ágata, coordenada pelo Ministério da Defesa. A operação consistirá de trabalhos pontuais e temporários. A ação baseia-se no aumento da presença e do impacto das forças envolvidas em pontos específicos da fronteira. Inicialmente foram escolhidas cinco áreas em diferentes estados, do norte ao sul do país, onde foi observado maior incidência de crimes. 
O Plano Estratégico de Fronteiras abrangerá uma área de 2.357 milhões de quilômetros quadrados, o que equivale a 27% do território nacional. As ações cobrirão os principais pontos da linha de fronteira, cuja extensão é de 16.886 quilômetros. A faixa de fronteira se projeta por 150 quilômetros para dentro do território nacional a partir da linha divisória com os dez países vizinhos. Compreende 11 estados, 710 municípios, abrangendo uma população de 10,9 milhões de pessoas.
Para além das operações Sentinela e Ágata, o Plano Estratégico de Fronteiras prevê ações de caráter estruturantes para melhorar as condições de segurança da população e a proteção das áreas que integram a faixa de fronteira. Entre as iniciativas de longo prazo, estão a construção de residências funcionais para policiais, a instalação dos Gabinetes de Gestão Integrada de Fronteiras, a implementação de sistema de comunicação integrado e investimento em modernização tecnológica.

Com informações do Ministério da Justiça   

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Filho de Beira-Mar é condenado a 7 anos de prisão na Paraíba

O filho do homem considerado o maior traficante do Brasil, Luiz Fernando da Costa, o ‘Fernandinho Beira Mar’, Luan Medeiros da Costa, foi condenado a 7 anos de reclusão em regime fechado e ao pagamento de 800 dias-multa, cada um no valor de 1/30 salários mínimos, pelo crime de tráfico de drogas.
A sentença foi emitida na última sexta-feira pelo juiz da Vara de Entorpecentes de Campina Grande, Luiz Falkandre de Sousa Queiroz, na sentença, o magistrado afirmou que “assim, por tudo que se apurou durante a instrução criminal, entendo que sobram nos autos elementos justificadores de um decreto condenatório, sendo as provas produzidas suficientes para demonstrarem a materialidade delitiva e sua autoria, restando, por fim, provado que os acusados agiram com objetivo idêntico, concorrendo cada um para a ocorrência do crime de tráfico de drogas”.
Os três tinham sido presos pela Polícia Federal com quatro quilos de cocaína, no dia 1° de agosto do ano passado em Campina Grande. Segundo as investigações, a droga teria sido fornecida aos acusados pelo traficante campinense Francisco de Assis Clemente, ‘Passinho’.
Os três acusados também respondiam pelo crime de associação ao tráfico, mas foram absolvidos pelo magistrado. Os três deverão recorrer da decisão, mas continuarão presos. No mês passado, o Ministério Público já havia apresentado um relatório final no processo pedindo a condenação dos acusados. A pena prevista para o crime de tráfico de drogas é de 5 a 15 anos de prisão, mas o magistrado considerou que os três eram réus primários.
Na época o entorpecente foi apreendido em um ônibus que fazia a linha Campina-João Pessoa em poder de Otávio Luiz; mas segundo as investigações da polícia o acusado teria se deslocado de João Pessoa para Campina Grande junto com o filho de Beira Mar e Edson Cunha Ataíde em um buggy verde de placas MYD 7750, para servir de mula e transportar a cocaína.
Luan Medeiros da Costa, junto com os outros dois acusados, estão detidos desde agosto do ano passado no Presídio Padrão de Campina Grande, ‘antiga Máxima’, que abriga presos provisórios e que aguardam condenação. Como já foram julgados, os acusados deverão seguir para a penitenciária do Serrotão, que fica no mesmo complexo prisional.

Fonte: paraiba1.com.br

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Bombeiros do RJ realizam protesto na orla de Copacabana

O protesto dos bombeiros realizado na orla Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro, no domingo (12), atingiu a marca de vinte e sete mil (27.000) participantes, de acordo com informações da tenente-coronel Claudia Lovain, comandante do 19º BPM (Copacabana). Ainda segundo a comandante da PM, 150 policiais trabalharam no policiamento, espalhados ao longo da orla, mas não houve registro de confusão no evento.
Milhares de pessoas compareceram à manifestação para apoiar os bombeiros, que pedem melhores salários e anistia dos agentes que haviam sido presos. Os integrantes da corporação também aproveitaram o evento para agradecer o apoio da população.
"A passeata superou todas as expectativas, é indescritível. Nunca vimos nada assim. A partir desta segunda-feira (13), vamos começar a conversar, para decidir os próximos passos", disse o capitão do Corpo de Bombeiros, Lauro Botto, "estaremos na Alerj para uma reunião com o deputado Freixo. Através dele, vamos tentar chegar ao Paulo Melo para que ele tente um contato entre nós e o governador Sérgio Cabral", explicou o cabo Benevenuto Daciolo. Segundo ele, todos os bombeiros que estavam presos foram libertados até a noite de sábado (11). A marcha dos bombeiros durou cerca de 3h. Os manifestantes chegaram ao Posto 6 da Orla de Copacabana por volta das 14h30, onde cantaram o hino nacional.
Moradores apoiaram os bombeiros, "Eles são nossos heróis, tínhamos que estar aqui", diz a dona de casa Hyna Carvalho, acompanhada do marido e da filha. Muitos moradores da orla de Copacabana atenderam aos pedidos dos bombeiros e penduraram bandeiras vermelhas em suas janelas.
"Eu tenho um primo que é bombeiro no Sul do Brasil. Vim representando ele, era minha obrigação. É muita emoção participar de um ato desses", contou a aposentada Zuleide Gomes.
O bombeiro argentino Mathias Montecchia chegou há uma semana no Rio para apoiar os bombeiros durante os últimos protestos. Exibindo seu contracheque, ele conta que ganha 7 mil pesos em seu país, o que equivale a cerca de R$ 2.700. "Eu vim apoiar, não é possível um herói ganhar o que eles ganham. Na Argentina eu ganho muito mais", disse.
Familiares dos mais de 400 bombeiros que foram libertados na sexta-feira (10), depois de cerca de uma semana presos, soltaram centenas de balões vermelhos, representando vidas salvas por meio do trabalho na corporação.

Com informações do G1.com

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Região Norte irá receber reforços Federais para combater crimes a líderes ambientais


Os ministros José Eduardo Cardozo (Justiça) e Maria do Rosário (Direitos Humanos) percorrem nesta quinta (9) e sexta-feira (10) os estados do Amazonas, Pará e Rondônia. Acompanhados da secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, do diretor geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, os ministros se reúnem com governadores, autoridades do Judiciário e  movimento sociais. O objetivo é garantir o apoio dos órgãos de segurança pública federais e definir ações para combater a violência e a impunidade no campo.
As visitas fazem parte das atividades da força-tarefa criada pelo governo federal para investigar os assassinatos de líderes ambientais e ocorridos no final de maio na região norte. Tropas da Força Nacional de Segurança chegaram à região na terça (7) para auxiliar as polícias locais. No Pará, a Força instalou sua sede operacional em Marabá, Altamira e Santarém (oeste).
O envio da tropa atende ao pedido do governo do Pará para cooperar com a preservação da ordem pública, da incolumidade das pessoas e do patrimônio público federal, em apoio às polícias Civil e Militar. Serão enviadas tropas federais também para coibir a violência agrária em Rondônia e Amazonas. A primeira etapa da operação é de policiamento propriamente dito, envolvendo a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e a Força Nacional, além do suporte das Forças Armadas.
Outro objetivo da operação lançada pelo governo federal no Norte do país é garantir que os crimes não fiquem impunes. O  Ministério da Justiça oferece apoio também para agilizar os inquéritos policiais. Atualmente, a Força Nacional atua em outros estados, como Alagoas, onde mais de seis mil inquéritos estavam parados. Da mesma forma, é  fundamental a agilidade da Justiça para julgar e punir crimes, como as mortes de trabalhadores rurais por conta de conflitos agrários.


Com informações do Ministério da Justiça

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Polícia Federal deflagra operação Open Air e prende jovens de classe média no RJ


Quinze traficantes, todos jovens de classe média, e um holandês foram presos nesta quinta-feira (9) durante a operação Open Air, deflagrada pela Polícia Federal. Em entrevista coletiva no fim da manhã, o delegado João Luiz Caetano de Araújo, informou que outros três suspeitos de tráfico, moradores da zona sul do Rio, ainda estão foragidos.
Ao todo a Justiça expediu 16 mandados de prisão. Dessse total, seis foram contra jovens do Rio de Janeiro. Outros dois foram presos em flagrante nesta quinta-feira.
De acordo com João Luiz, os cabeças da quadrilha eram do Rio de Janeiro. A operação iria ser deflagrada na próxima segunda-feira (13), mas devido a uma reunião inesperada do bando programada para acontecer hoje, a Polícia Federal e o Ministério Público decidiram cumprir os mandados de prisão hoje. O holandês, um dos principais alvos, pretendia viajar para a Europa no próximo fim de semana. Há pelo menos quatro anos ele vinha intermediando traficantes cariocas com traficantes europeus.
A investigação teve início em maio do ano passado, após dois jovens serem presos em flagrante no aeroporto Internacional do Rio, na Ilha do Governador, zona norte, com 30 mil comprimidos de ecstasy. Nesse período, os policiais descobriram que o bando usava mulas para enviar cocaína até a Holanda. Em seguida, eles retornavam ao Brasil trazendo drogas sintéticas na bagagem.
Cada mula lucrava 3 mil por viagem, e chegava ao Basil com grandes carregamentos. Para se ter uma ideia, só com os 30 mil comprimidos apreendidos em maio, a quadrilha lucraria R$ 500 mil se as mullas não tivessem sido flagradas.


Com informações do R7.com

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Bombeiros elaboram nova proposta para reunião com comandante no RJ

A Associação de Cabos e Bombeiros do Rio elabora, desde a manhã desta quarta-feira (8), uma nova proposta para apresentar ao comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Sérgio Simões, em uma reunião marcada para esta tarde, no Quartel Central da corporação.
Na noite de terça-feira (7), após mais de quatro horas de reunião com sete representantes dos bombeiros, o comandante da corporação afirmou que a proposta salarial apresentada pelos militares precisava ser reformulada. Segundo ele, o piso estava acima do que o governo estadual pode pagar.
Na manhã desta quarta, manifestantes continuavam acampados nas escadarias da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Eles pedem a libertação dos colegas presos no quartel de Charitas, em Niterói, na Regiã Metropolitana do Rio, e ainda melhoria salarial.
Os bombeiros continuam dormindo em colchonetes espalhados no chão da quadra de esporte da unidade. Eles reclamam da alimentação.
O pedido de relaxamento e liberdade provisória para os 439 bombeiros presos, feito no início da noite de terça, pela Defensoria Pública do estado do Rio de Janeiro, ainda não foi apreciado, de acordo com o Tribunal de Justiça do Rio. O pedido foi entregue à Auditoria Militar.

Fonte: globo.com/g1

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Bombeiros do RJ seguem em frente à Alerj por melhores salários e libertação dos presos

Bombeiros e parentes dos 439 presos seguem, na manhã desta segunda-feira (6), acampados na escadaria da Assembleia Legislativa (Alerj), no Centro do Rio. Com faixas e cartazes de 'resistir é preciso', eles pedem melhores condições de salários e também a libertação dos bombeiros presos, no domingo (5). Os detidos foram transferidos para o Quartel de Charitas, em Niterói, na Região Metropolitana. Além do protesto na escadaria da Alerj, na noite de domingo (5), bombeiros também fizeram uma passeata pela Ponte Rio-Niterói. O policiamento em frente ao Quartel Central dos Bombeiros, invadido pelos manifestantes na noite de sexta-feira (3), permanece reforçado.
Mesmo com a paralisação em protesto por melhores salários e contra a prisão de 439 bombeiros, os salva-vidas trabalhavam, no domingo, nos postos à beira da orla de Copacabana, Ipanema e Leblon, eles estavam como voluntários e sem o uniforme da corporação.
"Estamos em greve, mas estamos aqui como voluntários, porque não vamos deixar ninguém morrer sem socorro porque não ganhamos bem", disse um cabo que está há 13 anos nos bombeiros e que estava de plantão na tarde de domingo, no Posto 8 de Ipanema.

Com informações do G1.com

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Capitão da PMAL é preso após manifestação de servidores

O capitão da PMAL, Marcelo Ronaldson foi detido, no início da noite desta quarta-feira (1º), após manifestação dos servidores públicos estaduais realizada no centro de Maceió. O capitão disse que foi preso por falar durante o protesto sobre seu posicionamento a favor da participação dos militares na escolha do comandante geral da Polícia Militar.
“O comando é um elo de ligação da tropa com o governo. Ele serve para representar a classe, ajudar a expressar nossos anseios e reivindicações, mas, infelizmente isso não ocorre. O governo promove quem quer. O comandante passa a ser mais um comandado do governador e esquece a tropa em detrimento de benefícios do Executivo” – desabafou o capitão que está detido na academia de Polícia Militar.
Segundo o capitão, a ordem partiu do comandante geral, coronel Luciano Silva. “Legalmente eu não poderia ser preso porque sou diretor da Associação dos Oficiais Militares de Alagoas (Assomal) e estava discursando como representante da categoria” – explicou.
Ele ressaltou ainda que em nenhum momento foi ouvido e alegou que sofre perseguições há muito tempo. “Qualquer tipo de lei que fira a constituição não é válida. Tenho férias acumuladas para tirar, mas não me dão. Fui transferido para o interior por lutar por direitos. É perseguição em cima de perseguição. Mas não vou recuar” – finalizou.
Para o presidente da Associação dos Oficiais Militares de Alagoas (Assomal), major PM Fragoso, a prisão do amigo foi um ato de arbitrariedade do comando geral da PM. “Acredito que alguém só pode ser preso em flagrante delito. O capitão Marcelo não cometeu nenhum crime. Ele falou como diretor de associação e não destratou ninguém. A Constituição brasileira garante o direito pela liberdade de pensamento e expressão. O tempo da ditadura militar acabou. A liberdade está prevista, inclusive, pelo Ministério da Justiça. Não podemos permitir esse abuso” – disparou o major.
O presidente da associação enfatizou ainda que a atitude mais correta seria abrir um procedimento para apurar as falas do capitão e não ordenar sua prisão de imediato.
A prisão do capitão, gerou mais uma manifestação nas ruas de Maceió, na tarde desta quinta-feira (02). Militares saíram em carreata da sede da Associação dos Subtenentes e Sargentos da PM (Assmal) e realizaram um buzinaço pelas ruas do Centro. Pela manhã, um protesto pela prisão do capitão foi realizado em frente ao Quartel Geral da Polícia Militar, de acordo com o Major Fragoso, o buzinaço tem como objetivo mostrar à população os excessos cometidos pelo Comando da Polícia Militar.

Com informações da gazetaweb.com

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Agência dos Correios é assaltada na PB e bandidos agem com tranquilidade por falta de policiamento

Sete clientes da agência dos Correios da cidade de Barra de São Miguel, no Cariri paraibano, foram feitos reféns por cerca de 30 minutos durante um assalto, no fim da tarde da segunda-feira (30). A agência havia sido reabastecida pouco tempo antes para o pagamento dos aposentados. Os bandidos agiram sem pressa porque sabiam que não havia policial no município. A equipe da Polícia Militar só chegou 50 minutos depois que o grupo fugiu.
A mãe de uma das vítimas falou que três homens chegaram à cidade em duas motocicletas e se dirigiram aos Correios. Um ficou aguardando na rua, enquanto outros dois entraram na agência para colocar em prática o plano de assalto. Sete pessoas, entre clientes idosos e funcionários, foram feitas reféns.
Conforme uma das testemunhas, o celular de um aposentado tocou, motivando os bandidos a ameaçarem atirar em todos. Na saída, eles dispararam tiros ao alto e contra a sede da Prefeitura. O grupo fugiu em motocicletas em direção à cidade de Taquaritinga do Norte, em Pernambuco.
A Polícia Militar só chegou 50 minutos depois do ocorrido. Entre a população o sentimento é de revolta e insegurança. A mesma agência dos Correios foi assaltada três vezes somente este ano. De acordo com um morador, falta investimento empresarial no município por causa da insegurança.
A prefeita Luzinete Lopes disse que a cidade vive uma situação delicada porque só tem policiamento nos finais de semana. “Acompanhamos todo o assalto. Eles passaram trinta minutos dentro da agência com sete reféns e o mais incrível é que agiram com toda a tranquilidade”, declarou indignada.
O Comando da PM não se manifestou a respeito das declarações da prefeita e moradores.

Com informações do paraiba1.com.br

quarta-feira, 1 de junho de 2011

PEC 300 ? Mais uma vez não deu em nada

A Câmara vai instalar na próxima semana uma comissão especial para analisar propostas sobre qualificação e carreiras policiais, entre elas as PECs 300/08 e 446/09, que estabelecem piso salarial nacional para policiais e bombeiros. O anúncio foi feito pelo presidente da Câmara, Marco Maia, nesta terça-feira, quando policiais de vários estados estiveram em Brasília para pedir a inclusão das propostas na pauta do Plenário. O assunto também foi discutido em audiência pública da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado e por integrantes da Frente Parlamentar em Defesa da PEC 300, instalada ontem (31).
As duas propostas, que tramitam em conjunto, foram aprovadas em primeiro turno em março do ano passado. O texto aprovado - uma emenda assinada por vários partidos – cria o piso e estabelece um prazo de 180 dias para o Executivo definir o valor. Nesse período, será adotado um piso transitório de R$ 3,5 mil para os policiais de menor graduação (soldados, no caso da PM) e de R$ 7 mil para os oficiais do menor posto.
 A proposta de criação de uma nova comissão especial dividiu os participantes da audiência. Para o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), esse é o caminho a ser percorrido, pois nada é votado na Casa sem acordo. Segundo ele, “a comissão para discutir as PECs da segurança pública só não foi instalada ainda porque o PT e o PSDB não indicaram seus representantes”.
O líder do DEM, deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (BA), argumenta que o regimento da Câmara e a Constituição são claros. “A PEC já foi aprovada em primeiro turno e o processo de votação tem de ser retomado do lugar de onde parou.” O gestor da Associação Beneficente dos Servidores Militares de Sergipe, sargento Edgard Menezes Silva Filho, também defende a votação imediata da proposta. “Se eu tiver que perder, quero perder na votação, mas não porque alguém me tirou o direito de ter meu pleito apreciado em Plenário”, argumentou.
O presidente da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, deputado Mendonça Filho (DEM-SE), disse, em audiência encerrada ontem (31), que irá encaminhar ao presidente da Câmara, Marco Maia, estudo do colegiado sobre a PEC 300/08 para mostrar que a medida é viável economicamente.
No encontro, Mendonça Filho disse que irá cobrar uma posição do presidente sobre a votação da medida em segundo turno. “Vou comunicar o resultado do encontro aqui na comissão para que os senhores [policiais] decidam que medidas irão tomar”, afirmou o deputado, que marcou uma reunião com as lideranças dos policiais para o dia 5 de julho. Na versão atual, conforme explicou o deputado, a PEC prevê a criação de um fundo nacional, formado por um percentual entre 4% e 5% da arrecadação federal com o Imposto de Renda e com o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), para ajudar os estados a financiar a segurança pública.

Com informações da Câmara dos Deputados