terça-feira, 29 de março de 2011

PCMG paralizam por 24 horas

Policiais Civis de todo o Estado entraram em paralisação de advertência por 24 horas nesta segunda-feira, 28 de março. O movimento pede melhorias das condições de trabalho, contratação de mais servidores e aumento salarial.
De acordo com o Sindicato dos Servidores da Polícia Civil de Minas Gerais (Sindipol), que engloba servidores administrativos e todas as categorias de policiais civis, a escala mínima está mantida em todas as delegacias. A categoria já tem agendada uma assembleia para o dia 8 de abril.
Os delegados de polícia, que fazem parte do Sindicato dos Delegados de Polícia de Minas Gerais (Sindepo), também aderiram ao movimento. Segundo o diretor de eventos do sindicato, Marco Antonio de Paula Assis, os delegados foram instruídos a não trabalharem hoje. Eles reivindicam estabelecimento de subsídio e pedem contratação de mais profissionais. Conforme o sindicalista, o Estado tem apenas 750 delegados na ativa, o que já não atende nem aos 853 municípios mineiros. O problema é que 500 cidades não tem delegado.
Os policiais pretendem fazer uma manifestação às 10 horas na praça da Liberdade, onde está a presidenta Dilma Rousseff e depois devem seguir para o Palácio das Artes. Eles também estão fazendo uma manifestação no aeroporto de Confins onde alertam a população para os problemas da segurança pública no Estado. Segundo os sindicatos, Minas tem cerca de 9 mil policiais.
O governo, por meio da Assessoria de Imprensa, informa que já está em negociação com as categorias. Por enquanto, não há levantamento de quantos policiais aderiram à greve e também não há registro de nenhuma problema em relação a registro de ocorrências por falta de delegados.


Nenhum comentário:

Postar um comentário